quarta-feira, 19 de agosto de 2015

A IMPORTÂNCIA DA PALAVRA DE DEUS


(um grupo de 5 amigos discutindo a importância da palavra da Deus acabam revelando alguns segredos...)
(Lúcia entra cantando com a Bíblia nas mãos; ao chegar no lugar marcado, senta-se e folheia a Bíblia)
MARIA: “... Leia a bíblia e faça uma oração, faça uma oração, faça uma oração, leia a bíblia e faça oração se quiser crescer. Se quiser crescer... se quiser crescer. Quem não ora e a Bíblia não lê, diminuirá. Lalalala”
(Entram Mateus, Marcos, Lucas e João conversando e dando risada. Avistam Maria e vão se encontrar com ela)
MATEUS: E aí Maria? Tudo beleza! (todos se cumprimentam)
MARIA: Mateus como vai? E você Marcos? Tudo certinho? Tudo bem Lucas e João?
MARCOS: Tudo numa nice! E você? Está voltando ou indo para a Igreja com essa Bíblia enorme na mão? (dá uma risadinha)
MARIA: Hahaha engraçadinho... Estou indo a um estudo bíblico marcado com os jovens da igreja. Querem ir comigo? Ainda dá tempo! Estou bem adiantada no horário!
MATEUS: Ah Maria, não quero ir não! Esses eventos são muitos chatos e numa boa, eu não entendo quase nada do que esses pastores dizem! É tanta coisa que eles falam, tanta teoria, tanta palavra difícil... Eu fico sem entender!
MARCOS: Ah... nisso eu tenho que concordar! Ler a Bíblia é massa, mas tem muitas partes nela que eu também não entendo! As vezes, até peço uma ajuda mas acabo ficando é bem pior! (dá uma risadinha)
MARIA: Poxa meninos, até que entendo! Realmente, tem algumas passagens que tem uma linguagem um pouco complicada, mas não tem desculpa para deixar de ler. Hoje, já temos até bíblias com a tradução mais moderna!
MARCOS: Bom, isso é verdade!
MARIA: E também, não adianta dizer que não entende a palavra de Deus se você não faz nem um esforço para ler e tampouco ora sobre isso. Eu tenho certeza que se você pedir a Deus sabedoria, ele vai te ajudar a entender!
MARCOS: veremos! É que as vezes fica até cansativo sabe?
MARIA: Cansativo? você lê tanta coisa, tanta revista, tanto livro, e não pode se dedicar uns minutos a palavra de Deus? Nenhum outro livro vai te dar o crescimento que você pode encontrar neste aqui (ergue a Bíblia). E você Mateus? Disse que também não entende a palavra de Deus...
MATEUS: Não é SOMENTE disto que estou falando... Vocês vivem suas verdades e suas próprias teorias e não o EVANGELHO que vivem pregando por aí....
MARIA: Como assim Mateus?
 (os meninos se olham )
MATEUS: Vejamos bem... o que a Bíblia fala sobre amar?
MARCOS: Bom... Temos que amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos! Amar como Jesus nos amou!
MATEUS: Ah é mesmo? (irônico) engraçado que só vejo você falando mal do outro. Como vocês podem falar que amam ao próximo se nem amam de verdade alguém que está na mesma Igreja que vocês? Como vocês podem falar que Deus é amor se vocês não amam?
MARIA: Mateus, infelizmente algumas pessoas erram, mas nem todos são assim!
MATEUS: Ah é mesmo? Marcos, lembra daquele dia que pegamos o buzu lotado e você disse que ia ao trabalho? (MARCOS faz sinal de sim) Lembra do Mendigo na passarela? Por que você não ajudou hein? Duvido que Jesus (fala com ironia) passaria de largo!
MARCOS: NÃO! Cada caso é um caso meu jovem! Vou chegar atrasado no trabalho porque neguinho não quer trabalhar? O amor ao próximo é algo relativo! Tem que analisar cada caso...
MATEUS: E nem é só isso! Ainda ontem você estava me falando que não ia com a cara de um irmão na sua igreja só porque ele não tem as mesmas ideias que você!
MARCOS: O Paulo?! Aquele cara é um nojento! Vive dizendo que é santinho, mas eu conheço esse tipo de crente... vive por aí se fazendo de santão, de crentão... eu não gosto dele não vey! Ainda bem que pelo menos eu obedeço o que a Bíblia diz nesta situação: “ suportai uns aos outros” e faço isso todo dia!
MARIA: Não fale assim Marcos! Temos que estender as mãos aos necessitados e falar a eles sobre Jesus! Jesus também morreu na cruz por eles! Além do mais, quem é você para julgar os outros? A Bíblia diz que se alguém fala: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Quem não ama a seu irmão, a quem vê, como pode amar a Deus, a quem não vê? Amar ao próximo é um MANDAMENTO!
MARCOS: Falar é fácil né filha?
MATEUS: pois bem... e você João? Vive mentindo e dizendo que prega a verdade!
JOÃO: eeeeeeeeeeeu? (cara de surpresa)
MATEUS: É! Você mesmo! Você disse para aquela menina ontem que trabalhava numa empresa grande e tinha carro! Como isso é possível se hoje mesmo você me disse que tava sem dinheiro no bolso?
JOÃO: Ah...  tenho que impressionar a mulherada meu filho.. vou dizer o que? Que acordo tarde e fico com preguiça de trabalhar? Com meu Deus eu me acerto! Hoje estou no tempo da Graaça... se eu me arrepender e orar, Deus vai me ouvir e vai me perdoar! Deus é um Deus de amor e não um carrasco!
MATEUS: Preguiça né? Pensei que Deus condenava isso...
JOÃO: E condena sim! Mas veja bem: o Brasil tá em crise! Tá difícil arrumar emprego meu jovem!
MATEUS: Se pelo menos você tentasse acordar cedo e buscar as coisas...
JOÃO: Não precisa isso! Deus é um Deus fiel e sei que ele vai derramar bênçãos sem medidas na minha vida! Não é a bíblia que fala: “ nunca vi um justo a mendigar o pão”?
MARIA: Deus é amor, mas também é justiça João! Do que vai adiantar ficar mentindo? Acha que um dia a sua casa não vai cair? Não se engane. De Deus não se esconde nada e um dia, essas mentiras vão acabar lhe prejudicando!  E outra coisa: Deus nos concede bênçãos sim, mas tem certas coisas que somos nós quem temos que buscar também! Não fique esperando as coisas caírem do céu! Se esforce!
JOÃO: Até que esse dia chegue minha filha... (dá uma risadinha)
MATEUS: E você Lucas? Todo certinho... até parece que não faz nada de errado...
LUCAS: E não faço! Eu sou um crente perfeito! Ajudo na obra, canto, prego, limpo a igreja, sou levita cara!
MATEUS:  ah é mesmo! Pow cara, você é um exemplo de crente! Pelo menos você (o celular de Lucas toca e ele faz sinal dizendo que vai atender)
LUCAS: ALÔ? E aí Cris, tudo bem? A paz meu irmão? Qual o motivo de sua ligação? Hum.. sei sim... a festa né... COMO É? Não! Eu toco melhor que ele!  Não tem melhor músico na igreja do que eu! Você vai pensar no assunto? Sério isso? Ok!(desliga irado) como pode isso rapaz? O cara não toca nada, mal sabe pegar no instrumento E vai ter oportunidade na Festa da Igreja. EU, que toco bem pra caramba, sou antigo na igreja, não vou ter oportunidade! Ninguém é melhor músico que eu naquela igreja não rapaz! Eu tenho tradição, técnica!
MATEUS: Pensando bem...
MARIA: Lucas, a palavra de Deus diz que Deus resiste ao soberbo. Cuidado com o seu EU! Você é um levita e levita SERVE! Não tem isso de ser  “o melhor músico da igreja”! seja humilde!
LUCAS: E sou! Poderia dizer que sou o melhor músico do Campo todo!
MARIA:  (balança a cabeça e olha o relógio) ESTOU ATRASADA! Meninos, o papo foi até interessante, mas preciso ir. E aí, algum de vocês vai me acompanhar ao evento? (todos balançam a cabeça em sinal de “não”). E você Mateus? Quer conhecer um pouco mais de Deus e de sua palavra?
MATEUS: EU? PRA QUE? Se nem vocês, que se dizem crentes amantes da Palavra de Deus a cumprem, pra que eu vou querer conhecer também?

---------------------------------------------------------- FIM--------------------------------------------------------------



sábado, 30 de novembro de 2013

CANTATA DE NATAL

* As músicas pertencem ao CD de cantata natalina "Alegria"

(quando começar a narração, o coral deve ir entrando e se colocando em seu lugar)
Narração–Esta é a história do nascimento de um Rei. Prometido por Deus, anunciado por profetas e anjos, e esperado por muita gente. Nasceu pobre, na estrebaria de uma cidade  chamada Belém. Seu berço era um cocho, onde os animais comiam. Sem prata, sem ouro, sem glórias. Não teve súditos para mandar, teve amigos. No lugar de um cetro, apenas mãos estendidas para dar e acolher. Esta é a historia do nascimento de um Rei, que fez da sua vida, principalmente de sua morte, o bem supremo da humanidade. É a historia do nascimento de um Rei cujo reinado é eterno, sem fim. Esta é a história do nascimento daquele que seria o nosso Redentor! Preparem o caminho do Rei!O Seu reino chegou! Preparem o caminho de Deus!
Música 1: Prepare o Caminho – como abertura (todo o coral vai entrar e se colocar no seu lugar)
 (quando vir o solo dos instrumentos vem a narração)
Narrador: Há um momento na história em que nem a terra e nem o céu jamais esquecerão. Naquele momento, Deus, o Verbo Eterno, com seu inenarrável amor, sua sabedoria, poder e misericórdia, Se tornou um ser humano, e nasceu aqui na terra como um bebê. A terra recebeu a sua glória, a glória daquele que é o único, que veio do Pai, cheio de graça e verdade. Esta maravilhosa história de uma criança Santa, que nasceu em uma humilde manjedoura é a razão do Natal. Este maravilhoso presente vindo do céu é o maior dos milagres que hoje celebramos. Jesus Cristo! O Messias tão esperado! Prometido por Deus, anunciado pelos profetas.
Música 2: Prepare o Caminho – Reprise
Música 3: Erguei-vos já
Narrador: o mistério e a expectativa em torno das revelações de uma grande luz que viria, podem ser sentidos nas palavras do profeta Isaías.
Monólogo Isaías: Não me lembro bem quando tudo começou... Os sentimentos, os sons. No vento eu ouvia musica e vozes. Sonhava não necessariamente de noite. Quando já estava mais velho entendi que estava ouvindo a voz de Deus. Isso me deixava assustado. EU sabia o que o nosso povo costumava fazer com os profetas. No ano em que morreu o rei Uzias, vi o Senhor, erguido em sua majestade a perguntar a quem ele deveria enviar e eu respondi: envia-me. Dali em diante houve o tempo em que ele falou em palavras e símbolos tão poderosamente que me dobrei ante sua presença e meus ouvidos se deliciavam com suas profecias.  Ele me falava palavras tão lindas que eu tinha desejo de canta-las...
“ Levanta-te e resplandece, porque é chegada a tua luz e é nascida sobre ti a glória do Senhor; eis que as trevas cobrirão a Terra e a escuridão estará sobre os povos. Mas sobre ti o Senhor virá surgindo e a sua glória se verá sobre ti e nações caminharão para tua luz e reis para o resplendor da tua aurora. Porque um menino nos nasceu...”
E havia palavras sem sentido, como “a virgem conceberá e dará a luz um filho e seu nome será Emanuel, Deus conosco”. Que significam estavas palavras?
Sim, Que toda natureza se dobre a vontade de Deus!
Música 4: Um Tempo de Glória
Música 5:  Não há Paz em Belém
Narrador: A opressão sentida em Belém estava bem clara através das palavras amargas e revoltadas do caseiro que cuidava da hospedaria.
Monologo do Caseiro: (fala com raiva) “Você toma o que a vida lhe dá e tenta fazer dela o melhor possível, certo? bem, a vida não me deu muita coisa. Nasci aqui nessa cidade- uma aldeia considerada o lixo recusado da Judeia, com as botas dos soldados romanos em nossos pescoços... muita pobreza e ainda tenho de cuidar dessa hospedaria imunda. Pra mim, a vida foi... a vida é... uma boa porcaria.( parar o play back) Cidade de Davi! Que grande piada! Cidade... o velho rei Davi já se foi há muito tempo e nunca pisou por essas terras. Eu e minha esposa tentamos fazer aqui um lar para nossos filhos, mas que tipo de lar você pode construir com palhas e insetos por todos os lados, e hospedando até prostitutas? Os ratos que se espalham pelas palhas são os hóspedes mais limpos que tenho aqui (continua o play back) E sem falar nesse maldito censo romano! É outra piada... censo... É simplesmente mais um imposto pra pagar; bem, pelo menos nessa época, consigo hospedar muita gente; camas ocupadas, com gente até no teto!  Ganho um dinheiro a mais para pagar os impostos, mas não sobra nada pra ir embora daqui! Então naquela noite, alguém bateu a minha porta.Eu estava tão cansado que vim atender gritando: “vão embora, está tudo cheio... vocês são cedos, não há vagas ora...” ( começa música 6) vai se aproximando Maria e José, Maria com dores no peito e vai se aproximando do caseiro junto com José)
Música 6: Estranhos na Cidade
Monólogo do Caseiro – parte 2: (ele olha pra Maria com compaixão) quando abri a porta vi uma mulher, jovem e pobre. Como poderia mandá-la embora? Estava grávida... Até os animais encontram aqui um lugar para seus filhos nascerem. Lembrei do dia em que meu primeiro filho nasceu e me coração se comoveu...(o caseiro faz aponta para a manjedoura que deve estar atrás do coral; quando ouvir o choro do neném, o coral deve abrir o meio) Então, ofereci o que eu tinha: apenas uma estrebaria... Um lugar frio e seco, longe de todos... Uma manjedoura.”

NARRADOR – Estando eles ali, completaram-se os dias dela e deu a luz a seu filho primogênito: Jesus, o Filho de Deus!
Música 7: Alegria
Narrador: (começa a música) e a profecia se cumpriu: “E tu Belém Efrata, pequena vila da Judéia, serás o berço do meu Rei, que viverá para sempre”!
Música 8: Que haja luz

Monólogo do Pastor (sem música)
NARRADOR – Naquela Noite, quando a grande luz brilhou, nem todos estavam dormindo. Um pastor que cuidava do seu rebanho lembra muito bem do grande espetáculo de luzes e cores que aconteceu naquela noite...
PASTOR: Eu estava dormindo quando tudo aconteceu. Os outros pastores deram um pulo, ficarem de pé e me levantaram também. Pensei que tínhamos dormido demais e que o sol já havia nascido. Mas na medida em que acordei percebi que ainda era noite e que no céu havia muitas luzes, cores e música. Ouvimos uma voz que cortou os ares como o som de um trompete no templo dizendo: não temais! Na cidade de Davi vos nasceu o Salvador, Cristo, o Senhor! Os anjos cantaram louvores a Deus e depois foram embora, aos poucos, assim como a neblina se vai com o calor do sol da manhã. Naquela mesma noite eu vi o Bebezinho... Sua mãe o segurava e nós ficamos ao redor dela, maravilhados, em silêncio... (algumas pessoas neste momento, enquanto o pastor fala, devem se dirigir a manjedoura; é como se o que o pastor falasse fosse representado na hora, porém apenas a parte em que se dirigem a manjedoura; os pastores devem estar felizes; começa a música) Reconheci então que algo de maravilhoso estava acontecendo... algum tempo depois, avistamos uma poeira se levantar no horizonte( entram os 3 reis magos)... eram viajantes que estavam chegando... fiquei maravilhado vendo passar aquela caravana exótica e diferente... ( finge estar cheirando algo no ar) não... não era o cheiro dos camelos, era um cheiro familiar que eu já conhecia no templo... ah sim! Era incenso que se misturava com mirra...os viajants se curvaram lentamente diante da esposa do carpinteiro...reconheci então, que aquele bebê que eu vi  na manjedoura era o  Messias tão esperado... Jesus!
Música 09: A Jornada para a Luz
Narrador: E A luz do mundo veio de uma manjedoura com palhas secas. A luz aqueceu as palhas e a manjedoura se inflamou e incendiou a cidade de Davi. E brilha até hoje, como um farol através dos tempos para iluminar o povo que andava em trevas. Aleluia! A luz brilha!
Música 10: Aos que andavam em Trevas

NARRADOR – No principio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. O Verbo era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem. E o verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade.
Música 11: Miscelânea (Quando estiver terminando a música, os personagens vão se levantar e olhar para o céu enquanto José ergue a criança para o céu; todo o coral deve terminar a cantata com os braços erguidos).









quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Monólogo de Natal - Isaías

Monólogo: 

Isaías: (deve estar no centro e falar com ímpeto)

Quando o messias vier, o espírito do Senhor repousará sobre ele, porque o Senhor o consagrou pela unção; Ele virá para levar a boa nova aos pobres, curar os corações doloridos, dar o óleo da alegria em vez de vestidos de luto, cânticos de glória em lugar de desespero.

No ano em que morreu o rei Uzias, vi o Senhor, erguido em sua majestade a perguntar a quem ele deveria enviar e eu respondi: envia-me! Dali em diante houve o tempo em que ele falou em palavras e símbolos tão poderosamente que me dobrei ante sua presença e meus ouvidos se deliciavam com suas profecias...

Levanta-te, levanta-te e resplandece, porque é chegada a tua luz e é nascida sobre ti a glória do Senhor; eis que as trevas cobrirão a Terra e a escuridão estará sobre os povos. Mas sobre ti o Senhor virá surgindo e a sua glória se verá sobre ti e nações caminharão para tua luz e reis para o resplendor da tua aurora. 

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e ele será e é: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. (entra a dança e se posiciona na frente; começa a música)

Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do Senhor dos Exércitos fará isto. (Isaías sai)

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

PEÇA: DESCULPAS PARA NÃO IR A ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL



NARRADOR:
Em 1780 foi fundada na Inglaterra pelo missionário Robert Raikes, nossa querida escola bíblica dominical, e em 19 de agosto de 1855, foi fundada a primeira escola dominical no Brasil pelos primeiros missionários que aqui chegaram o casal, Robert e Sarah p. kalley. Pra quem não sabe, a escola dominical é uma bênção de deus e por mais que uma pessoa participe dos cultos e de todas as atividades da igreja, têm coisas que só serão aprendidas frequentando a escola dominical. Infelizmente, grande parte da igreja não tem interesse em participar; será que essas pessoas sabem o quanto estão perdendo? O objetivo da peça que iremos apresentar neste momento é chamar a atenção para o valor e importância que devemos dar à escola dominical. Qualquer semelhança com a realidade, não é mera coincidência.
ATO 1:  peça desculpas para não ir a escola dominical ;  o sono.
(os personagens não aparecem; somente as vozes)
Mãe: Carol... Carol, você ainda está dormindo menina... Acorda, é hora de ir pra escola dominical!
Carol: ai mãe, ainda bem que a senhora me acordou, não posso perder a aula de hoje... E você mãe, não vai se arrumar?
Mãe: já vou... (solta um bocejo)... Ai que sono!(utilizar alguns efeitos de som como chuveiro, secador de cabelos etc...)
Carol: mãe, vamos! Já estou pronta... Nossa mãe ainda de camisola e deitada?
Mãe: não vou hoje não, minha caminha tá tão gostosa... Ah entregue isso para o professor, fala que não deu pra eu ir porque eu estou com dor de cabeça.
Carol: essa desculpa não cola mais mãe, todo domingo a senhora fala a mesma coisa, ninguém acredita mais... E eu tô cansada dessas mentiras...
Mãe: é verdade, você tá certa, acho melhor eu inventar outra... Ah, inventa qualquer coisa lá. Agora vai, vai logo pra não se atrasar (Carol sai " de casa " e encontra Henrique no caminho)



ATO 2: EBD É PRA VELHO, APRENDO NO CULTO.
Henrique: (vestido como se estivesse indo jogar futebol e com uma bola) - nossa posso saber aonde você vai tão cedo?
Carol: eu tô indo para a escola dominical, vamos também?
Henrique: tá me tirando garota, não posso, tenho um jogão agora e mais tarde tenho ensaio com os jovens e com o pessoal do louvor, já tenho meu ministério (Carol interrompe)
Carol: então só porque você é ministro do louvor não pode participar da escola dominical?
Henrique: olha você quer saber mesmo o que penso a respeito desse negócio de escola dominical? Isso é coisa pra velho, eu é que não perco meu tempo...
Carol: como assim pra velho, velha é essa sua mente... Como você pode pensar assim, vamos à escola dominical para aprender a palavra de Deus... E temos classes exclusivas para cada faixa etária...
Henrique: Oxi, mas eu aprendo a palavra no culto a noite!
Carol: o culto a noite é mesmo uma benção, mas precisamos nos alimentar mais e mais da palavra de Deus, e a escola dominical é o lugar para aprendermos! O próprio nome já diz “escola”... Você diz que aprende com a palavra do culto a noite, mas à noite depois dos louvores só vejo você de conversinha durante a pregação, isso quando não está do lado de fora da igreja né...
Henrique: (fala em tom de brincadeira) tá me vigiando é garota? Pior que você tem razão, eu preciso mudar, não posso continuar indo a igreja só por curtição ou só porque gosto de cantar... Mas olha, hoje não estou em condições de ir (mostra a roupa) Mas prometo que na próxima semana serei a primeira pessoa que você vai ver na escola dominical...
Carol: tá bom, vou esperar você lá hein... (se despedem)

ATO 3: IDADE INSUFICIENTE, MEU PAI FICA NA INTERNET E NA TV
(aproxima-se uma criança com o saco de pão na mão)
Carol: oi Tiago tudo bem? ué vai levar este saco de pão pra igreja é?
Tiago: não, tô indo pra casa mesmo, minha mãe pediu pra eu comprar o pão.
Carol: não vai pra escola dominical então?
Tiago: então, meu pai fala que não é pra eu ir á igreja sozinho...
Carol: ué, mas na padaria você pode ir... E porque ele não vai á igreja com você?
Tiago: ele sempre diz que tá cansado... Mas sabe o que acontece? ele passa parte da noite na internet, isso quando não passa a madrugada na televisão... aÍ quando começa o globo rural ele vai pra cama dormir...olha lá minha mãe...

ATO 4: NÃO TENHO TEMPO, NÃO POSSO PERDER A NOVELA
Mãe: Nossa menino, estava demorando, tanto que já ia te buscar...Paz do senhor Carol, faz tempo que não te vejo...
Carol: paz querida, é mesmo...
Mãe: também faz tanto tempo que não vou á igreja (fala sem graça), você sabe né, essa vida de dona de casa é uma correria só...
Tiago: correria (solta uma gargalhada), você não sabe a correria que ela faz, da cama pro sofá, do sofá pra cama, kkkkkkk
Mãe: não liga pra o que esse moleque fala
Tiago: Carol você lembra a ultima vez que você foi em casa pra estudar a matéria da escola dominical com a minha mãe, lembra o que ela fez? (Carol só da um sorrisinho)
Mãe: eu me lembro, não conseguimos estudar (pensativa) eu não podia perder o ultimo capítulo daquela novela... ai que vergonha, foi a partir daí que parei de dar aula na escola bíblica, nossa como eu gostava de ensinar a palavra de Deus, como eu tinha prazer em ir a escola dominical! Mas agora não tenho ânimo...
Carol: posso te dizer uma coisa... não deixe que as coisas do mundo tenham um espaço maior em sua vida do que as coisas de Deus...que tal começarmos a estudar a bíblia novamente? ai quem sabe, logo logo, você estará dando aulas novamente...
Mãe: é tudo o que eu quero e se Deus quiser vou conseguir!  você vem então na próxima semana?
Tiago: e como fica a novela das oito? e a das nove?
Mãe: a partir de hoje meu filho essas banalidades não irão me influenciar mais, pode ter certeza... nos vemos na terça à noite(despedem-se de Carol que vai embora por um caminho e a mãe e o Tiago vão andando para casa e conversando)



ATO 5: EU JÁ SEI O SUFICIENTE
(Falam já em casa)
Mãe: e você mocinho, vai começar a vir à escola dominical comigo e vamos trazer seu pai também...
Tiago: Eba, faz tempo que eu queria participar mãe, todos os meus amigos da igreja participam, só eu que não, e não sei nada da bíblia...(chegam em casa entra em cena filho mais velho André)
André: eu também não sei nada de bíblia...  Esses dias na escola a professora de ciências estava explicando a teoria da evolução dizendo que o homem veio do macaco, eu não concordei, falei que Deus criou o homem, que estava escrito na bíblia e tal..., ai ela começou a me fazer um monte de perguntas que eu só poderia responder se conhecesse mais a bíblia, só que me enrolei todo e fui até motivo de gozação...
Mãe: é meu filho, a partir da semana que vem vamos mudar isso, vamos todos para escola dominical... (entra o marido com a maior cara de quem acabou de acordar)
Marido: eu não vou à escola alguma, pra que? Cadê o pão? Eu já conheço a bíblia de ponta a ponta...
Tiago: nossa pai eu não sabia disso, achei que o Sr. só entendesse de internet , carros, TV e jogos...
André: eu também tô surpreso, aliás,  só vejo o Sr. pegar na bíblia quando vai pra igreja!
Marido: desde criança até uns anos atrás quando vocês nem tinham nascido eu sempre participei de todo tipo de escola bíblica que tinha na igreja; participei de simpósios, cultos de ensinamento, palestras, gincanas bíblicas e hoje posso afirmar com toda certeza que tenho toda bagagem que preciso pra viver a vida... Vou perder meu tempo indo pra escola pra ouvir as mesmas coisas?
Mãe: tem muito tempo que não leio a bíblia, mas lembro de que a bíblia diz que a palavra de Deus se renova a cada manhã... então por isso é que temos que querer aprender mais e mais a cada dia...
Marido: mas eu sei tudo... sei muitos versículos de có, sei o nome dos discípulos, sei o nome de todos os livros da bíblia, sei o nome das sete igrejas da Ásia...sei quantas vezes Pedro negou a jesus...aliás, vocês sabem porque Pedro negou a Jesus?(todos respondem que não sabem)
Marido: porque Jesus curou a sogra de Pedro... (todos dão uma risadinha sem graça; marido muda expressão na hora, fica de cabeça baixa)
Marido: falando sério eu conheço sim a bíblia e tenho muita propriedade quando o Pr. me chama pra dar uma palavra, vocês já viram isso inúmeras vezes...
Mãe: mas do que isso te serve homem, se você só fica na frente dessa televisão... não ensina o que sabe a ninguém...
André: pai a mãe tá certa, não me lembro de termos um momento juntos pra você nos ensinar a bíblia, acho que por isso nunca tive o habito de ler...
Marido: (diz com tristeza) é verdade meu filho...me desculpe filho...
Tiago: eu tenho tantas duvidas sobre a bíblia pai, o Sr. nem imagina...
Marido: não sabia meu filho, achei que os cultos durante a semana e aos domingos eram suficientes para vocês aprenderem...
André: não é que não aprendemos nada pai, mas precisamos aprender um pouco mais.
Mãe: é, acho que está na hora de participarmos da escola dominical; que tal todos nós irmos à próxima semana?
Marido: vamos sim querida... Todos nós temos muito que aprender... acabei de descobrir isso..

ATO 6: TENHO QUE FAZER ALMOÇO, JÁ FAÇO MINHA PARTE ORANDO, NÃO SEI LER
(São interrompidos pela irmã Maria que já chega gritando ou cantando um hino bem alto; vem trazendo um carrinho de feira, os meninos saem)
Irmã Maria: eita povo de Deus, já estão acordados? vamos pra feira minha gente....
Mãe: entra irmã Maria,
Irmã Maria: só tô de passagem porque tô indo pra feira
Marido: irmã Maria, semana que vem, quer ir à escola dominical conosco?
Irmã Maria: ai menino não vai dá...tenho que fazer feira, tenho almoço, afinal você sabe que almoço de domingo é sagrado...
Mãe: mas irmã Maria, a escola dominical é muito mais importante do que o almoço...
Irmã Maria: mas menina, não posso deixar de estar com minha família, é o único dia que consigo reunir todos...
Marido: a escola não é assim tão demorada e dá tempo da senhora passar na feira depois da aula
Irmã Maria: eu já faço minha parte durante a semana dirigindo o circulo de oração, vivo em oração constante por esta igreja, participo de todas as campanhas, vou no monte...
Mãe: a senhora esta certa vivendo em constante oração, mas temos que nos alimentar da palavra de Deus também!
Marido: muitas vezes temos atitudes erradas em nossa vida por não conhecermos as escrituras da forma que deveríamos conhecer...
Irmã Maria: isso é verdade meu filho, olha vocês conseguiram me convencer a participar da escola dominical, mas tem um probleminha, eu não sei ler...
Mãe: é por isso mesmo que a senhora precisa ir, pois lá a bíblia é explicada com muita clareza e mais, se a senhora tiver dúvidas pode perguntar ao professor... é diferente do culto a noite, não podemos interromper o pregador pra fazer perguntas...
Irmã Maria: é mesmo menina, tô há tanto tempo na igreja e nunca me interessei por que não imaginava que poderia aprender tanto, nem imaginava que poderia esclarecer as minhas duvidas com os professores... domingo eu vou, preciso aprender mais sobre o Senhor, ainda mais estando a frente do circulo de oração...é uma pena que não tomei esta decisão ontem.
Marido: mas nunca é tarde para aprender irmã Maria...
Irmã Maria: é verdade meu filho, mas agora tenho que ir buscar umas verdurinhas e umas frutas, mas na próxima semana dou uma adiantada em algumas coisas no sábado. Acho que vai dar tudo certo.
Marido: vamos com a senhora, temos que comprar um peixe... (saem conversando)

(PARA FINALIZAR VOLTAM TODOS OS PERSONAGENS COM O JOGRAL)

ATO 7 - JOGRAL
Todos: razões pelo qual devemos ir à escola dominical!
Mãe da Carol e Carol: pelo amor que temos a Cristo e por sua palavra;
André e pai: para que não sejamos enganados por heresias e ensinamentos errados;
Mãe e irmã Maria: para aprendermos e auxiliarmos no desenvolvimento intelectual da igreja;
Henrique e Tiago: porque é nosso dever como cristãos crescer no conhecimento do evangelho;
Mãe da Carol,Carol, André e pai: porque aprendendo a palavra somos despertados a viver em santidade;
Mãe, irmã Maria, Henrique e Tiago: porque a escola dominical fortalece e unifica a família (pausa)
Todos: e vocês? Tem alguma desculpa para não participar?

Fim

Por: teatro na igreja (fevereiro 2011) //  http://teatronaigreja.blogspot.com

MERCADO DE FILHOS


> Essa peça data de 26/08/2008 e foi escrita com a temática do dia dos pais, no entanto, nesta versão estou a adaptando para ser apresentada em qualquer ocasião, pois ela fala de algo semelhante ao que Deus faz por nós: Se importa com pessoas imperfeitas, que para o mundo inteiro não tinham valor algum. Deus escolhe o que ninguém mais escolheria e o torna em algo maravilhoso. Deus consegue moldar o pior dos homens e fazer dele uma nova criatura \o/

O MERCADO DE FILHOS

Narração: O que aconteceria se os filhos fossem vendidos em mercados? Pais! Que tipo de filhos vocês comprariam? Será que a vida familiar seria mais fácil se tudo fosse da maneira que escolhemos?
Isso é o que veremos na peça que vai começar agora. Onde a história se passa, os pais precisam ir a mercados para comprar os seus filhos. Lá, os “candidatos” falam como são e a pessoa interessada escolhe quem vai levar. Com vocês: O Mercado de Filhos!

Vendedor: Próximo!
(Entra Roberto)
Vendedor: E o senhor, vai querer que tipo de filho?
Roberto: Que tipo? É... Eu não tenho muitas preferências. Posso ouvi-los?
Vendedor: Claro! Vamos lá. 13796, diga o que tem a dizer.
Ana Paula: Meu nome é Ana Paula, tenho “X” anos e nenhuma cicatriz.
Roberto: Nem na alma?
Vendedor: Olha, pra consultar a alma sai mais caro. Por que o senhor quer saber essas coisas?
Roberto: Isso me fará entender melhor a Ana Paula.
Vendedor: Tudo bem, tudo bem. Pode falar da alma. Continue, 13796.
Ana Paula: Já que o senhor perguntou, a única tristeza que tenho, a única cicatriz é a falta do meu namorado que me largou.
Roberto: Nada que o tempo não cure, não é?
Ana Paula: É... Pode ser. Sou pianista, sei falar francês, não tenho vícios, não crio bichos estranhos como aranha e não falo sozinha.
Roberto: Falar só? Quem faria isso?
Ana Paula: (sorri) O senhor verá. Só pra finalizar: eu não como muito e sou obediente. Sou ou não sou perfeita?
Vendedor:  Já falou de mais. É sua vez, 08947, faça a sua propaganda.
Caco:  Meu nome é Caco, tenho “Y” anos.
Roberto: Pode me falar dos seus sonhos?
Caco: Ah! Tenho muitos: quero ser piloto de avião, quero dormir em um dos quartos da Casa Branca e...
Roberto: Não está querendo de mais?
Caco: Eu sou assim mesmo, confio no meu potencial, sei que com esforço posso conseguir tudo o que eu quiser. Eu fui aprovado na aeronáutica brasileira e em breve começarei meu treinamento.
Roberto: Vejo que você já está bem encaminhado.
Caco: É, estou. Pode perceber que se me comprar não terá prejuízos, principalmente por que eu não tenho visões.
Roberto: Visões?
Vendedor: Chega! 08497, você quer estragar a fama das minhas mercadorias, não pode falar o que o...
Roberto: O...?
Vendedor:  Nada! Nada! Vamos lá, 50082. Sua vez!
Luna: Um nome é Luna, tenho “Z” anos. O senhor sabe que sou inventora?
Roberto: É mesmo?
Luna: Criei uma coisa inacreditável!
Roberto: E o que é?
Luna: Só direi se me comprar.
Vendedor: Ora! Diga, seu Roberto, se ela não sabe fazer sua propaganda!
Luna: É que me formei em publicidade. Olha, moço, eu não ronco, não derramo comida no sofá, não peço presentes caros. Se me levar, prometo que não ocuparei seu tempo chorando pelo namorado que perdi ou...
Ana Paula: Luna!
Vendedor: Cala a boca, 13796!
Ana Paula: Sim, senhor.
Roberto: Você é bem esperta, Luna.
Luna: Sim, eu sei. E não roubo nada em casa.
Vendedor: 50082! Você com essa mania também?
Roberto: Eu não entendi. Do que eles estão falando?
Vendedor: De nada! Vamos lá, 31756, se apresente!
Pâmela: Eu me chamo Pâmela, tenho “W” anos e faço projetos de moda.
Roberto: É estilista?
Pâmela: Sou, e se o senhor quiser saber, essa sua roupa está meio brega.
Vendedor: Menina! Assim espanta o comprador!
Roberto: Oh! Desculpe. Como sua roupa é bela, tudo está combinando. Será que o senhor já pode me comprar?
Roberto: É que eu ainda não me decidi.
Pâmela: É claro que se decidiu. Basta olhar! Eu sou inteligente, educada, discreta, não gosto de bichos de estimação, nunca fui deixada pelo namorado, canto bem. Pra tudo eu tenho talento, fora isso, não cheiro cola.
Roberto: Cola?
Pâmela: Cola de sapateiro.
Vendedor: Chega! Seu Roberto, pode dizer agora qual vai levar.
Roberto: Mas... E o menino ali, não está à venda?
Vendedor: É... Está. Mas ninguém nunca quer comprar, o senhor não vai gostar.
Roberto: Por favor, deixe-me ouvi-lo.
Vendedor: Tudo bem, 00000, pode falar.
Roberto: Por que o número dele é esse?
Ana Paula: O senhor verá.
Rodrigo: Meu nome é Rodrigo, tenho “N” anos e sou muito honesto.
Caco: Não seja falso, Rodrigo, todo mundo sabe que você é um ladrãozinho barato!
Luna: Eu falei isso!
Caco: Mas não é segredo pra ninguém!
Luna: E quanto às visões? Todo mundo sabe que o Rodrigo vê coisas, vê pessoas...
Ana Paula: E fica conversando com elas. Eu já o vi falando sozinho, é assustador.
Pâmela: E eu sei o que causa tudo isso, são as drogas que ele usa! No dia que não faz isso, fica desesperado.
Vendedor: É uma decepção.
Roberto: Tem algo a dizer em sua defesa?
(Rodrigo fica calado)
Vendedor: Fala! 00000, você é um 0 à esquerda, um 0 à direita, um 0 por todos os lados! Responda ao comprador!
Rodrigo: É tudo verdade.
Luna: Não falei?
Vendedor: Não sei por que ainda não joguei esse garoto na rua. Ele não serve para nada, é um perfeito marginal! Seu Roberto, é difícil pra mim reconhecer a péssima qualidade de minha própria mercadoria, mas é verdade, tudo é verdade, ele é mesmo um sem futuro.
Roberto: Rodrigo, por que você faz essas coisas?
Vendedor: É, 00000, por que você faz essas coisas?
Rodrigo: Começou quando eu era criança. Meus amigos me fizeram experimentar umas drogas e eu não consegui parar, Pra continuar usando tive que bater umas carteiras por aí. As vozes que eu ouço e a pessoas que eu vejo são os meus amigos de infância.
Pâmela: Olha só como ele é maluco! Esses amigos drogadinhos dele morreram há 5 anos!
Rodrigo: Eu não tenho casa e nem família.
Pâmela: Nenhum de nós tem, mas nem por isso somos perdidos.
Vendedor: Chega! Chega! Diga, seu Roberto, já decidiu quem vai levar?
Roberto: Já!
Vendedor: E quem vai ser?
Roberto: O Rodrigo!
Vendedor: Ele?
Rodrigo: Eu?
Roberto: Sim! Exatamente.
Vendedor: Ninguém nunca leva o 00000.
Rodrigo: É! Ninguém nunca me leva!
Caco: Isto é uma injustiça! Como pode querer colocar um malandro em sua casa?
Pâmela: Quer dizer que nós, pessoas de bem, não servimos pra você e esse ladrão serve?
Luna:  Você só pode estar brincando conosco!
Rodrigo: Eles tem razão, senhor. Eu sou um garoto sem jeito e sem futuro. As pessoas não dão nada por mim, e eu não as culpo. Também não daria nada por alguém como eu. Eu não me compraria! Então não brinque comigo! Já não tenho esperança...
Vendedor: Seu Roberto, pode escolher outro.
Roberto: Não tenho dúvidas! Rodrigo nunca mais será o 00000, é ele quem eu quero. Na verdade, levaria a todos, todos vocês precisam de amor e cuidado, todos são preciosos, todos. No entanto, você, Rodrigo, já não acredita em si mesmo. É você então que eu quero, pra mostrar o quanto tudo pode ser diferente. Eu darei tudo o que você precisa e não será mais o mesmo.
Rodrigo: O senhor não tem noção do eu está falando.
Roberto: Ah, Tenho sim! Vim aqui com o objetivo de ser pai e é isso que um pai faz, cuida, ensina. Eu prometo que todos os dias estarei com você. Vão ser dias difíceis os que vem a seguir, vais ser tentado a continuar nessa vida mais contarás com meu apoio. Não será fácil, mas conseguiremos, você e eu!
Rodrigo: Eu não acredito em mim!
Roberto: Mas eu acredito em você!
Rodrigo: E quando me faltar força?
Roberto: Eu te darei.
Rodrigo: E se eu continuar fazendo coisas erradas?
Roberto: Todas as vezes que errares ,com amor te corrigirei.
Rodrigo: E... E se... Ah! Obrigado senhor! Muito obrigado.
Vendedor:  É... 00000... Vendido!

Narração: E foi exatamente como Roberto disse que seria: Difícil, mas não impossível. Rodrigo conseguiu se recuperar e nunca mais foi o 00000. Se tornou um homem honrado e toda a experiência ruim que teve serviu para que ele testemunhasse que mudanças são possíveis, não importa o quanto tudo esteja mal.
Algo parecido Deus fez conosco. Um dia todos nós andamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho
(Isaías 53:6) Mas ainda assim Jesus se importou conosco. Ele não desistiu de nós por que éramos maus, pelo contrário, ele morreu por nós por sermos pecadores, morreu para que esse pecado não mais nos separasse dele. Cristo escolheu amar pessoas assim, sem esperança, sem nada. Pessoas que não tinham mais saída, pessoas... Qualquer pessoa! Jesus Cristo, O Filho de Deus! Ele fez o que ninguém faria, deu a vida por muitos que não sabiam que ele existe, e mais! Deu a vida pelos que sabem dele, mas não se importam. Não importa qual a sua situação, você pode ter feito coisas bem piores do que as que esta peça cita, não importa, não importa! Jesus morreu por você! Por você! Ele escolhe mesmo as pessoas que ninguém escolheria, ele abraça, cuida e transforma em algo surpreendente. Tenha esperança e aceite Cristo: JESUS AMA VOCÊ.


Fonte: http://teatroevangelico.webnode.com/news/mercado-de-filhos/

PEÇA TEATRAL- SONHOS ABANDONADOS


>>> Personagens:
1 narradora- É a voz oculta feminina (VOF)- Enquanto ela fala a encenação continua ou passa o tempo/cena muda.
1 médico(a);
2 amigos- Paulo e Kelly;
1 menina- namorada- Renata;
1 menino- namorado- Bruno.

(Som das máquinas no hospital sinalizando batimentos cardíacos. Todas as vezes que a VOF falar esse som deve aparecer)

VOF: Garanto que a minha história poderia ter sido diferente, mas eu não quis, eu determinei isso naquele dia... (abrem-se as cortinas e aparecem Bruno e Renata conversando) ... Aquela ali sou eu, aquele é o Bruno, e esse, talvez o dia que pensei que seria o mais feliz da minha vida.
Renata: Então... Você me ama de verdade? Está disposto a casar comigo?
Bruno: Claro! Você aceita ou não?
Renata: É lógico, meu amor! Isso é tudo o que sempre sonhei!!!
Bruno: E já que vamos casar... Pensei que poderíamos selar nosso amor.
Renata: Selar nosso... Como assim?
Bruno: Quero que nos tornemos um só, meu bem, que assumamos um compromisso que jamais será desfeito, a prova física de nosso amor.
Renata: O que seria essa prova? (ele fala em seu ouvido) Bruno! Seria bom, mas... Meus pais iriam me expulsar de casa! O pastor vai me disciplinar...
Bruno: Renata, vamos nos casar, não vamos? Você já tem idade suficiente para sair debaixo das asas de seus pais. E quem liga pra disciplina? Eu estarei com você, aconteça o que acontecer.
Renata: Ow, meu bebê. Tudo bem, será ótimo. Meus pais não aceitarão no começo, mas os pais nunca percebem que os filhos cresceram, não é?
Bruno: Sim, querida, eles nunca percebem. Mas agora faremos outra família e o que eles pensam não importa mais.
Renata: Então será hoje rsrs Aonde?
Bruno: Calma, princesa, eu te busco e te faço uma surpresa.
Renata: Como você é romântico, meu bem.

VOF: Não pude dizer não ao meu querido noivo. Em breve nos casaríamos, fazer sexo não seria problema algum, então dormimos juntos naquela noite. No dia seguinte, contei tudo aos meus melhores amigos.

Paulo: Você o quê? Renata, como você pode? E todos os seus sonhos para um relacionamento cheio da presença de nosso Deus?
Kelly: Renata, você está com graça, eu não acredito em você!
Renata: Pois é verdade! Tudo verdade, e foi muito bom, exceto o pesar que sinto agora.
Paulo: Consciência...
Kelly: E seu ministério? Não pensou nele?
Renata: Eu já vou me casar, Kelly!
Paulo: Eu só tenho a lamentar por você. Jogou fora muitas coisas lindas! Estás ao menos arrependida?
Kelly: Sim! Se estiver arrependida vamos orar por você e você pode abandonar essa prática... Ainda tem jeito amiga!
Renata: Não, não estou arrependida! E se soubesse que vocês falariam essas coisas nunca teria contado!

VOF: Não conseguimos parar mais, cada noite era melhor, Bruno cada vez mais dedicado, mais carinhoso... Meus pais descobriram, não me expulsaram de casa, eu quis sair. Bruno estava certo, era hora de crescer. Juntei minhas coisas e fui morar com ele, acabamos por não nos casar, ele disse que não era mais preciso, que já me tratava como sua esposa e que legalmente eu tinha todos os direitos. É difícil contar essa história sem me emocionar, tenho boas e más lembranças daquela época. Dizem que o que é bom dura pouco, mas não acredito nisso. O amor dos meus pais era muito bom, e não durou pouco. Apesar de tudo, eles ainda me amavam. O amor de Deus também é muito bom, e não durou pouco por que apesar de tudo o que eu fazia, ainda conseguia sentir que ele me amava. Às vezes lembrava de quando eu estava na igreja, o ministério que abandonei, da paz que eu tinha em mim e chorava muito, mas não tinha forças para voltar. É... O amor de Deus não durou pouco, meu pastor dizia que esse amor não tem fim. Mas algumas outras coisas duraram pouco sim. A alegria daquela nova vida com Bruno, por exemplo! É! Ela durou muito pouco... Em alguns momentos esquecia de todos os meus problemas, mas logo depois sentia uma profunda ânsia... O amor de Bruno também durou pouco, acho que ele nunca me amou. Depois de conseguir o que queria, me expulsou da sua casa... Acho que encontrou outra moça inocente e mais bela. Alguns dias depois tive outra notícia...

Kelly: Você está grávida?
Renata: Conto a ele ou não?
Kelly: Claro que não! Ele simplesmente te abandonou!
Paulo: Claro que deve contar! Ele é o pai! E tem a obrigação de te assistir durante toda a sua gravidez!
Renata: E se ele voltar a me amar quando souber?
Paulo: Não seja tola, ele nunca amou você!
Kelly: Bom... Você pode tentar falar com ele, vamos ver o que ele diz!
Renata: Vou ligar agora mesmo! (pega o telefone e faz uma ligação) Alô(...) Bruno?
Bruno: Quem fala?
Renata: É a Renata!
Bruno: Ah... O que você quer?
Renata: Bruno, preciso te contar algo maravilhoso! Você vai achar incrível, mas não posso falar por telefone, precisamos nos encontrar.
Bruno: Não tenho tempo! Fala logo!
Renata: Bruno!
Bruno: Fala logo ou desligo esse telefone, pensei ter deixado bem claro que não temos mais nada em comum! Chega, Renata! Não deu certo entre nós! Volta pra tua família vai!
Renata: Você está enganado, Bruno, temos muito em comum! Temos um filho em comum!
Bruno: O que?
Renata: É isso mesmo, querido, estou grávida!
Bruno: De quem?
Renata: Como assim de quem? Você foi o único homem da minha vida, Bruno! É nosso filho!
Bruno: Problema seu se você está grávida! Eu não tenho nada haver com isso, vire-se!
Renata: Me virar? Bruno! Eu era uma moça inocente que vivia na igreja e você me fez mil promessas! Disse que nos casaríamos e...
Bruno: Se você é idiota o problema é seu também! Passe bem! (desliga o telefone na cara dela e ela começa a chorar)
Paulo: O que foi, Renata?
Renata: Ele não se importa, não quer saber do bebê... Ele disse que fui idiota quando acreditei nas promessas dele.
Paulo: Avisamos você.
Kelly: O problema é que os apaixonados ficam cegos... Depois que colocam uma coisa na cabeça acham que estamos falando para o mal deles...
Paulo: Mas pode contar com nosso apoio, Renata.
Kelly: Agora é importante que você volte para sua casa.
Renata: Pra casa? Não posso! Com que cara vou aparecer lá? Saí uma garota cheia de sonhos com um noivo, esnobando toda a minha família, agora volto solteira e com um filho? Nem pensar!
VOF: E de fato não voltei para casa. Meus amigos falaram com meus pais, contra a minha vontade, mas eu não quis a ajuda deles, quis maquiar a minha história e fingir que tudo estava bem, mas não estava. Os nove meses se passaram, e como foram longos e sofridos. Tinha o apoio dos meus amigos e eles dos meus pais, mas Bruno nunca mais me procurou, nem eu a ele. Soube que ele estava em outra igreja e já estava namorando uma jovem de lá, um dia o vi na rua com ela, e era aquele mesmo jeito de quando o conheci... Parecia tão bom para ela, tão santo! Tão comprometido... Mas eu sabia que era só uma farsa, pena que descobri tarde. Talvez um dia ele faça a ela a mesma proposta que fez a mim, talvez ela seja mais inteligente e diga não, torço por ela. Quanto a mim, tive o dia do parto como o último dia da vida.
Senti muita dor, Paulo e Kelly me levaram ao hospital, o médico fez o parto com uma feição bem tensa, ele parecia prevê a morte do meu filho, e a minha também. Meus pais estavam lá, eles falaram comigo e enfim pudemos fazer as pazes. Pedi perdão por deixa-los e pedi que cuidassem do meu filho se acontecesse alguma coisa. Eles me confortaram, garantiram que eu ficaria bem e que cuidariam do meu filho e de mim, com o amor de sempre. Paulo e Kelly me parabenizaram, eu tive um lindo bebê. Olhei para eles e percebi algo especial, estavam de mãos dadas e depois seguraram meu filho emocionados. Entendi que se amavam. Entendi que me amavam. Que meus pais me amavam. Que Deus me amava. O meu casal de amigos me lembrava outra vez os sonhos de menina que eu sempre alimentei. O sonho de ter um casamento feliz, com um rapaz que me amasse e mais que isso, que amasse a Deus. Seríamos felizes, nosso lar seria uma benção, nossos filhos seriam consagrados ao Senhor... Que família linda eu sonhei! Mas eu troquei tudo isso por uma proposta tola... Eu não soube dizer não.
Nunca deveria ter aceitado aquela proposta, nunca! Mas tive tantas oportunidades de me arrepender e recomeçar depois dela... Paulo e Kelly queriam orar por mim, Deus queria me perdoar, sim! Ele queria. Afinal, Ele ainda estava lá, como sempre, Lindo, Santo, Bom... Tão Amoroso... Deus ainda era o mesmo. Ele sabia da minha dor, sabia que minha alma gemia e sabia o remédio para curá-la, Ele era o remédio para curá-la. Sim... Deus ainda estava lá. E, se Ele ainda estava lá e ainda queria me perdoar, só faltava uma coisa! Faltava eu querer receber esse perdão. Foi nesse momento em que entendi toda a minha vida e me arrependi. Joguei tudo fora mais ainda podia recuperar uma coisa: minha salvação, a aliança quebrada com Deus ainda podia ser refeita. Ele me amava tanto, como ninguém jamais amou! Esse amor não poderia ter acabado, e era verdade! Deus ainda me amava! Me arrependi. Meus amigos oraram por mim e depois de tanto tempo a minha alma de novo sorriu, de novo senti paz.
O médico já havia informado à família, o bebê estava bem, mas eu não conseguiria sobreviver. Eu já sabia que quando meu corpo enfim esfriasse eram os meus pais que fechariam meus olhos. Eu agora estava novamente no lugar de onde nunca deveria ter saído. A vida findava, mas apesar de tudo, eu partiria em paz.

(Som das máquinas sinalizando a parada cardíaca)


Peça retirada do site:  http://teatroevangelico.webnode.com

ENTRE O MUNDO E A IGREJA


(Entram o mundo e a Igreja)

MUNDO: Conforme-se, Igreja! Você já perdeu, ele me escolheu!
IGREJA: Ainda há tempo de mudar, Cristo ainda o espera!
MUNDO: E vai continuar esperando!, ele já é meu! Naquele dia ele preferiu sair com os amiguinhos a ir para a igreja. Hoje vou levá-lo a uma festa e lá talvez eu vá... Matá-lo!!!
IGREJA: Não! Cristo cuidará dele! A Bíblia nos ensina que Deus zela por nós.
MUNDO: Eu também conheço a Bíblia! Mas Deus não é ladrão para entrar em corações que não se abrem. Na guerra entre os valores aquele sonso me escolheu e você sabe... lívre arbítrio!
IGREJA: Estão olhando a nossa discussão.
MUNDO: (voltando-se para o público) Oh! Perdão! Bom dia queridos, eu sou o mundo e é um prazer conhecê-los. Como podem ver, eu não sou tão mal quanto pareço! Qualquer coisa que precisarem é só me pedir.
IGREJA: Paz do Senhor, queridos. Não liguem para ele. Estávamos aqui discutindo por uma alma que está se perdendo.
MUNDO: Falando em perdição, eu ainda vou perseguir aquela garota que acabou de se converter.
IGREJA: Graças dou ao Santo dos Santos por mais uma ovelha que voltou ao aprisco. Vejam, ali está ela. Mais uma alma salva para a glória de Deus. Vejam que linda.
(Entra uma pessoa de branco)

MUNDO: Ai credo! Toda de branco... Coisa Pálida! Linda é a alma que tenho em minhas mãos.

(Entra uma pessoa de preto)
Agem como se não vissem o Mundo e a Igreja

JÚLIA: Então... você não vai mais à igreja?
IGREJA: Vai sim, a casa de Deus está sempre de portas abertas. Te ofereço a Bíblia, espada da Justiça!
MUNDO: Nossa.. que livrinho mais simpático. Bem... preciso oferecer um presente também. Mas... o que? Vocês tem alguma ideia? (...) Já sei! Paulo... te ofereço LUXÚRIA! ( entrega-lhe um preservativo) Que tal outra noite daquelas? Sua namorada o espera...
PAULO: Desculpe, Júlia... Tenho tantas coisas para fazer em casa, não vai dar de eu ir.
JÚLIA: Entendo... Sexta tem culto, que tal irmos?
PAULO: Pode ser...
IGREJA: Vá filho... Lá a sua alma encontrará a paz que tanto precisa!
MUNDO: Ah! hahahahaha Não vai mesmo... Paulo... queridinho... Sexta vão falar quem é o assassino da novela! Você vai perder? É o último capítulo!
PAULO: Também não vai dar... Minha mãe está doente.
IGREJA: Doente? Não minta.
MUNDO: Continue assim!!!! Você me deu uma ideia. (Pega o celular e faz uma ligação) (...) Alô, peste? (...) Preciso que você embrulhe uma doença para a mãe do Paulo (...) Como assim qual? Qualquer uma! Você está ficando velha! Depois de encher Jó de chagas você não tem mais criatividade para nada? (...) Tá! (...) Depois eu te ligo pra dizer que doença (...) Obrigado. (Fala ao público) Alguém aí quer uma? Eu peço logo! (...) Não? Tudo bem... (...) Tchau, peste! (desliga o celular).
IGREJA: (ao público) Vocês percebem pelo que estou passando? Eu amo tanto essa alma que as vezes solto gemidos por ela. Tenho sofrido muito, os valores cristãos tem muitas vezes sido esquecidos pois o mundo tem conquistado os homens.
MUNDO: É óbvio, o que você tem a oferecer a eles? Diga! Diga, Igreja!
IGREJA: Paz, Salvação...
JÚLIA: Tudo bem, Paulo. Vejo que você anda muito ocupado ultimamente. Mas se quiser eu levo um grupo de oração à sua casa para interceder por sua mãe que está doente.
PAULO: Não, não! Estarei um trabalho sobre malária. Nesta semana não vai dar.
MUNDO: malária? hahahahahaha
IGREJA: De que está rindo?
MUNDO: Esse bobo me deu uma ideia. (liga novamente para a peste) Alô (...) peste, eu já sei qual é a doença: Malária! Embrulha que eu vou já buscar (...) Perfeito! (sorri e desliga)
IGREJA: O que você quer fazer? Essa alma não é sua escrava. Filho, eu lhe ofereço a paz, o amor, o perdão...
MUNDO: O que mais? O que mais? Você tem mais alguma coisa para dar, oh, Igreja? Sinto muito mas o que você oferece não dá de enxergar. Onde, onde está o seu presente? Esses ingênuos, os seres humanos, são conquistados não pelo que sentem, mas pelo que olham, por isso ofereço drogas, festas... Enfim, coisas bem mais interessantes.
IGREJA: Paulo, Jesus te ama!
MUNDO: Mais um caso cotidiano de amor não correspondido. Este garoto já está acorrentado. (amarra-o) Agora vá, Paulo. Siga esta rua, dobre à esquerda. Quando encontrar um buraco bem profundo e escuro, pule nele. Lá nos encontraremos.
IGREJA: Não faça isso!
PAULO: Eu vou para o inferno?
MUNDO: Nossa! Ele me ouviu?
IGREJA: É a consciência dele. Ela ainda está viva. Oh, Pai! misericórdia! Crito, interseda por ele junto ao Pai...
MUNDO: Conscência? hahahaha De qualquer forma, colega, faça o que falei. Não se preocupe, vai encontrar mais gente por lá.
(Paulo sai)
IGREJA: Pai! Cuida de almas como estas para que não se percam também.
MUNDO: E essa aí?
IGREJA: Esta? Esta é separada. Lavada no sangue do cordeiro.
MUNDO: Júlia!!! Troouxe um cigarro para você!
JÚLIA: O que? Afasta-te de mim, inimigo!
MUNDO: Como? (pega na bolsa um pó que simboliza dores e joga sobre Júlia) Que as dores venham sobre ti, dores, dores!!! (... nada acontece...) Ora, por que ela não sente nada? Vocês fizeram algum feitiço?
IGREJA: Vá filha, siga em paz.(Júlia sai) Isto não é feitiço, isto é o sangue do cordeiro, que a protege. Você não pode tocá-la, mundo. Você perdeu.
MUNDO: Como assim perdi? A alma de Paulo já é minha e basta eu estalar os dedos e muitas das almas que dizem ser suas vem até mim.
IGREJA: Você não entende. A vida com Deus é diferente! Quanto ao Paulo, eu digo que o Sange do Cordeiro já foi derramado, e não foi em vão! A Bíblia nos ensina muitas coisas sobre o amor de Deus, inclusive que... (acrescente algo que faça o público entender que no caminho, enquanto ia ao buraco, Paulo entendeu o que estava acontecendo e resolveu aceitar a Cristo)
MUNDO: Inclusive que depois da morte não há mais jeito!
IGREJA: Mas Paulo ainda não morreu e com certeza Deus enviará proteção. Aí sim! Ele verá o poder de Deus se manifestar e voltará ao primeiro amor...
MUNDO: O quê? Eu não liguei para a morte?
IGREJA: E nem adianta ligar.
MUNDO: (faz a ligação) Alô (...) Morte! Como assim está ocupada? (...) Não! Não posso esperar 2 meses, até lá Jesus já salvou a vítima! (...) Você está assolando o mundo? Eu sou o mundo! (...) Ah! Você está falando de outro mundo. (...) Ah, é?Você me paga! (...) Alô? (...) Alô??? Ela desligou na minha cara! Se ela não me fosse tão util já a teria demitido!

(Paulo entra de branco)
MUNDO: Mas o que é isso?
IGREJA: Os valores cristãos triunfando!
MUNDO: Não! Eu peguei ele primeiro!
IGREJA: Pegou? Pois saiba que Cristo já pagou por ele com seu sangue inocente.
MUNDO: Paulo! E a novela? A prostituição? A...
PAULO: Eu agora pertenço a Deus, afasta-te de mim, Satanás!
MUNDO: Satanás? Você me chamou de Satanás? Depois de tudo o que eu fiz por você?
PAULO: Eu agora entendo que Jesus me ama.
IGREJA: Sempre amou. Vá, filho. Siga em paz. Você está salvo. Quanto a voc~e, mundo, afasta-te de nós com suas amiguinhas peste e morte. Aqui é a casa de Deus e só a paz e o amor reinarão. Sai!!!
MUNDO: Mas eles querem que eu fique, não querem? (fala à plateia) Como não? E quanto áqueles dias em que eu os impedi de verem a Deus? Não gostaram? Não os vi reclamar! Vocês achavam bom! Ingratos!!!
(O mundo é empurrado para fora da cena. Na versão que tenho escrita Paulo e Júlia o empurram, mas seria interessante que ele fosse simplesmente trada sem aparecer que o empurra)
IGREJA: Infelizmente o que o mundo acabou de falar é verdade. às vezes deixamos de ver a face de Deus por cedermos ás conquistas do mundo. É tempo de quebrarmos estas correntes. O pecado não pode mais nos dominar, o mundo não habita em nós porque somos lavados no sangue carmesim, mas ele não desiste fácil, portanto, vigiemos em constante oração.


Peça retirada do site:  http://teatroevangelico.webnode.com